Diga aos Lobos que estou em casa - Carol Rifka Brunt

Editora: Novo Conceito
Edição: 1
Ano: 2014
Páginas: 464
Skoob: AQUI
Comprar: BUSCAPÉ






Olá pessoal,
Como esse é o meu primeiro post no blog, nada melhor do que começar mostrando a vocês um pouco do meu gosto literário, por isso, hoje eu trago a resenha de um dos livros mais lindos e perfeitos que eu li esse ano. Espero que gostem!
Só para avisar. A parte do enredo NÃO CONTÉM SPOILERS. Essa parte não tem nem 1/6 da história do livro, não se assustem.


Enredo
O livro se passa no ano de 1986 e conta a história de June Albus, uma garota de 14 anos que acaba de descobrir que o seu tio Finn está perto de morrer, pois está com AIDS - uma doença muito desconhecida na época e encarada com preconceito. Finn, além de tio da June, é seu padrinho e um famoso pintor que leva uma vida misteriosa na cidade de Nova York, onde June só vai visitá-lo uma vez nos fins de semana. 
Como já sabia que estava perto do final de sua vida, o tio de June decide que quer pintar o seu último quadro que será um retrato de June e de sua irmã mais velha Greta, que tem 16 anos.
A personagem principal e a sua irmã eram muito amigas quando criança, mas o tempo acabou separando um pouco as duas, já que com o passar do tempo, Greta começou a ficar fria e rude com a sua irmanzinha, sempre aproveitando as oportunidades que tinha para criticá-la. Greta odiava passar os domingos na casa do tio Finn e achava ridícula toda a ideia de se pintada em um quadro, enquanto que June amava cada segundo que passava perto do tio.
Na verdade, June sentia algo diferente pelo seu tio, algo estranho e diferente do que ela sentia pelos outros membros de sua família, algo que ela sabia ser errado e, por isso, sufocava esse sentimento e o guardava só para si. 
Com tantas inseguranças que cercavam a vida da garota - solidão, medo dos seus sentimentos, ausência dos pais na época dos impostos (quando eles tinha que sair de casa logo cedo e só voltar muito tarde da noite) - o melhor divertimento que June tinha era fugir para um bosque que ficava atrás de sua escola e vestir um velho vestido e botas marrons que ela havia ganhado de seu tio em uma feira renascentista que ambos tanto amavam frequentar. Durante o tempo que ficava sozinha no bosque, June adorava imaginar que estava em outro tempo, que estava perdida na Idade Média. Diversas vezes ela gostava de cruzar um pequeno riacho e subir até uma colina onde ela conseguia ouvir uivos, que ela pensava ser de lobos.
Em uma tarde, durante um inverno pesado, June está sozinha em casa quando atende um telefonema de um homem estranho. A pessoa do outro lado da linha está chorando muito e tenta falar algo sobre Finn, algo que June não entende no começo, mas o estranho começa a repetir que sente muito e que Finn havia acabado de falecer. 
"Subi correndo para o meu quarto. Ele nunca parecera tão pequeno. Tão encolhido. [...] A cidade parecia estar a milhares de quilômetros de distância. Como se, sem Finn, ela não tivesse peso para ficar no lugar. [...]"
Após algumas semanas depois da morte de Finn, a mãe de June leva para casa o retrato das duas irmãs que ele conseguira terminar alguns dias antes de sua morte. Ao abrir o saco preto que envolvia a pintura, June nota algo estranho no retrato, há botões desenhados em sua camisa, botões feitos de forma grosseira, não como algo que Finn faria, algo mais próximo à pintura de uma criança.
Dias depois da surpresa com os botões na pintura, June fica ainda mais surpresa com uma estranha encomenda que chega em sua casa, o velho bule russo que o seu tio tanto amava é entregue a ela por um rapaz estranho. Junto do bule, June recebe um bilhete de Toby, um velho amigo de Finn, odiado pela família de June. No bilhete, Toby diz que quer se encontrar com a garota sem que ela diga a ninguém a respeito do encontro. 
Desesperada por mais lembranças do tio, June se agarra a esperança de dividir com Toby um pouco da dor que ambos estão sentindo pela morte de Finn. É a partir desse bilhete que a vida de June muda completamente. 

Personagens
Todos os personagens do livro são muito bem construídos e trazem características fortes de sua personalidade. A autora dá a cada um dos personagens, sejam eles principais ou secundários, uma certa importância na obra, sempre amadurecendo-os com o decorrer dos fatos e de tudo que acontece na vida deles. 
O que me deixou ainda mais impressionada foi que até as atitudes mais estranhas dos personagens acabam sendo justificadas no decorrer do livro e fazendo com que você se apaixone cada vez mais por eles.

Diagramação e Conclusão
Preciso mesmo falar da diagramação desse livro? Meu Deus, ele é perfeito. Apesar de já ter lidos dezenas de resenhas sobre o mesmo, devo confessar que um dos fatores que contribuiu para que eu comprasse ele foi essa capa linda. 
De primeira, a capa parece ser bem aleatória, mas quando você termina o livro, cada um dos elementos presentes nela faz sentido, o que contribui ainda mais para a riqueza dessa capa. 
Dentro do livro, as folhas são das minhas preferidas, amareladas e um pouco grossas. Apesar do livro aparentar ser enorme, a fonte usada pela editora possui um tamanho perfeito, o que, somado com o tamanho dos capítulos, contribui para uma leitura rápida e prazerosa. Sem falar que o livro trás muitos diálogos interessantes e que te fazem pensar sobre tudo.
"[...] São as pessoas mais infelizes que querem ficar vivas, porque acham que não fizeram tudo o que querem fazer. Acham que não tiveram tempo suficiente. Acham que ganharam menos do que mereciam." 
Por fim, espero que tenham gostado da minha resenha. Por favor, qualquer dúvida, sugestão ou crítica é só falar. Como sou nova nessas coisas, ainda estou pegando um pouco o ritmo e estarei sempre tentando aperfeiçoar meu estilo para agradar vocês. Obrigada por terem tido paciência para ler e até a próxima.


You May Also Like

6 comentários

  1. Que enredo fantástico! E concordo com você que essa capa é linda demais! *__*
    Também amo folhas amareladas e grossas, e ainda tem a fonte em ótimo tamanho... que livro perfeito!!
    Curiosa pra saber os rumos que essa história vai tomar.
    Amei a resenha! Não tenho nada pra falar dela, gostei bastante! :D
    Bjs, Maria Clara <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Se você amou a resenha, tenho certeza de que vai amar ainda mais o livro. Faz algum tempo que li ele, mas ainda hoje me pego pensando em algumas passagens que nos fazem refletir bastante. <3

      Excluir
  2. Oi Maria Clara,
    Esse é o livro que estou lendo <333 estou amando tudo da diagramação até os personagens ^^
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  3. Oiee, tudo bem? Bem vinda ao blog =)

    Nossa, esse é um daqueles livros que eu não daria absolutamente nada por ele. A capa não chama a minha atenção e nem o título. Mas sua resenha me deixou bem motivada a conhecer essa história. A premissa do livro é bem interessante e eu espero gostar tanto quanto vc

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Clara, já li esse livro e sim também fui com a cara dele logo pela capa. Achei a história linda, mas confesso que também senti uma certa enrolação na mesma. É claro que isso não influência tão significativamente porque a narrativa se supera por si só. Bem vinda e parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir