A Última Dança de Chaplin


Informações Técnicas


Edição: 1
Editora: Intrínseca
Ano: 2015
Páginas: 222
Comprar: Buscapé




Uma das maiores vantagens de ser filha de um professor de teatro é ter contato desde cedo com as grandes obras mundiais do cinema. Me lembro da primeira vez que assisti um dos filmes de Chaplin, ao contrário das crianças normais que ficavam fascinadas com as cores e os brilhos das princesas da Disney, eu fiquei completamente encantada com o cinema mudo e preto e branco.
Talvez tenha sido por isso que não pensei duas vezes antes de comprar esse livro, comprei ele sem nem ter lido sinopses, resenhas nem nada, comprei só por saber que se tratava de Chaplin. Nunca estive tão certa por só esperar coisas boas desse livro. Apesar de todas as altas expectativas, o livro conseguiu me surpreender muito.






A narrativa começa na noite de 24 de dezembro de 1971. Chaplin entra na sala, com a roupa do seu tão aclamado personagem, O Vagabundo, bastante conhecido pelos americanos como The Tramp.
Nem um pouco surpreso com a presença da Velha, Chaplin faz um acordo com ela: Ele poderá viver até o próximo Natal se conseguir fazer com que ela sorria, pelo menos uma vez.
Acordo fechado. O único objetivo de Charles é ver o seu filho mais novo, Christopher, crescer. Sendo assim, todos os anos, na noite de 24 de dezembro, a morte senta na velha poltrona e assiste enquanto Chaplin tenta arrancar sorrisos dela.



No que ele julga ser seu último Natal, Charles decide começar a escrever uma carta para Christopher, contando para ele tudo aquilo que ficou de fora de sua autobiografia, contando para ele quem era Charles Chaplin antes do famoso bigode e do figurino e tudo o que ele passou até alcançar o sucesso.

O romance que mistura a ficção com a realidade não é nada menos que encantador. Acompanhamos então a sofrida história do menino que nasceu no meio da Inglaterra, em cima de uma carroça de ciganos e entrou para o circo. Filho de um pai alcoólatra e de uma mãe atormentada por doenças mentais, vemos um pobre menino lutar contra o mundo todo para realizar os seus sonhos e se tornar alguém na vida.

... pensando no que Fred Karno me dissera: que todas as histórias precisam de uma pitada de melancolia. Para mim, não era difícil de encontrá-la: eu já a tinha nos olhos, nas mãos e no sangue.



Grande parte da minha classificação de 5 estrelas para o livro se deve ao fato de que, mesmo se tratando de uma ficção, o autor conseguiu construir um personagem incrivelmente parecido com o Chaplin em si, por diversas vezes parece que foi ele mesmo quem escreveu o livro. 

O livro é completamente encantador, super bem escrito, numa linguagem fácil e super bem estruturada. A diagramação do livro é perfeita, a folha é amarelinha e a letra é em tamanho ideal, realmente, não há do que reclamar.
Além disso, essa capa é completamente linda. Fiquei encantada pelos detalhes, todos eles, que com o decorrer da da história parecem se encaixar totalmente no contexto. 

Resumindo, apesar de ser bastante diferente da autobiografia do ator, o livro narra uma linda história alternativa e repleta de encanto e magia. Eu super indico esse livro para todos vocês.

Para finalizar essa resenha, deixo com vocês o trecho de um dos melhores filme de Chaplin "O Grande Ditador" de 1940, onde ele apresenta uma grande crítica ao sistema político da época, à Segunda Guerra Mundial e, principalmente, ao Regime Nazista.

You May Also Like

9 comentários

  1. Nossa, que legal essa sua paixão pelo Chaplin, Maria! Achei super interessante a premissa do livro, acho que nunca li nada igual e fiquei bastante ansioso. Essa coisa de envolver realidade com ficção é incrível, quero muito ler :)

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Nunca assisti nada do Chaplin, e não me interesse muito, mas sua resenha está muito boa, e o livro parece ser bem legal, quem sabe futuramente eu resolva ler.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Maria. Como bom amador de filmes que sou, já conhecia algumas obras do Chaplin. Porém, sempre quis saber um pouco mais sobre o astro. Cheguei até a ler alguns documentários. A oportunidade que esse livro dá para os leitores e amantes do cinema mudo é incrível. Gostei bastante da proposta. Além, também, de ser uma ficção que se mistura com a realidade. Lerei!

    ResponderExcluir
  4. Entao, eu nao sou mto fã do Chaplin, já vi os videos dele, sei da importancia dele para historia do cinema, mas nao do tipo que procuram e tal sobre ele.
    Mas lendo a resenha, que fiquei mto interessada no livro, a capa está tao bonita, e qdo a capa é linda fico mais animada.
    Acho que o livro é um desses que nos fazem emocionar.
    Bjuus

    ResponderExcluir
  5. Maria, a primeira vez que tive contato com os filmes de Chaplin foi na escola, e assim como você fiquei fascinada, principalmente pelo humor que é muito bem abordado, nos tirando boas risadas, sem dizer uma só palavra.
    Sou uma grande fã, e sem sombra de dúvidas me agradaria desse livro, principalmente pela capa ser linda, e por receber tantos elogios seus com a obra.
    Espero que eu possa encontrar em breve esse livro, e ter a chance de ler.
    Abçs!!

    ResponderExcluir
  6. Eu sempre fui apaixonada pelo Chaplin, não só pela forma como ele conduzia sua arte, mas também pela magia que conseguia passar através dela. Confesso que, mesmo sendo ficção, o livro me passou uma verdade muito grande, e eu já fiquei com o coração apertadinho por conta do protagonista. Além da carga emocional enorme, é sempre bom ler algo sobre uma personalidade que a gente admira. A capa está linda mesmo, sem comentários!

    ResponderExcluir
  7. você é filha de professor de teatro??? ai meu Deus!! que sorte a sua!! sou apaixonada por teatro e atuação.
    ao contrário de você, só tive contato com chaplin quando fui ficando mais velhinha... minha família não é ligada a teatro e nem em repassar as coisas boas da época deles. rs. q azar o meu.
    eu ainda não li esse livro, mas a capa é linda demais.
    que história maravilhosa! fiquei tão encantada assim como me encanto fácil por coisas da geração passada. queria tanto ter nascido naquela época. ai :(
    quero conhecer a obra. fiquei encantada.

    beijos

    ResponderExcluir
  8. Não sabia que era filha de um professor de teatro, a infância deve com certeza deve ter sido bem diferente de muitas pessoas e tenho que admitir que foi uma menina que adorava os filmes da Disney kkk Não senti atração pelo livro mas fico feliz que você tenha curtido a leitura e sua resenha ficou fabulosa.

    ResponderExcluir
  9. Desde que vi no skoob de seu lançamento fiquei encantada!! Não vejo a hora de lê-lo!!!!
    Também amo os filmes de Chaplin, é realmente sensacional! Porém, nunca li nenhuma biografia nem nada dele.
    Essa é a primeira resenha do livro que leio, e só confirmou como é encantador, assim, pretendo ler em breve!
    bjãooo

    ResponderExcluir